terça-feira, 30 de junho de 2015

A sua hipocrisia é maior que a sua consciência?


Você defende a redução da maioridade penal e chega a quase salivar de tanta raiva ao comentar opiniões diferentes. Você esquece que a sua empregada, que faz aquele feijãozinho bem temperado que você adora, tem um filho esperando por ela lá na periferia, precisando dela para terminar uma tarefa da escola. Você ignora que o porteiro do seu prédio, que tira o seu carro da garagem para você ir ali na esquina comprar uma capinha para o seu smartphone, está lutando diariamente para o filho não ficar de bobeira na favela em que mora. Você nem olha para a cara da faxineira no seu trabalho, que leva 4 horas no trânsito e quase não consegue conversar com os filhos de tão pouco tempo que sobra no dia, mas, a sua mesa está limpinha. Você desvia o olhar do grupinho de crianças pedindo dinheiro bem em frente ao seu trabalho e é incapaz de ligar para o Conselho Tutelar ou checar na sua empresa se há algum projeto de apoio social ou integração comunitária. E você defende a redução da maioridade penal por qual motivo mesmo? Ah, por causa da sua ignorância, né?

segunda-feira, 29 de junho de 2015

Sobrou o talo? Joga fora não!

Desperdiçamos comida com uma facilidade inacreditável. Jogamos fora os talos que podemos e devemos comer. A chef Claudia Girelli costuma aproveitar os talos de espinafre, bertalha, couve ou brócolis em refogados. É uma super dica para você enriquecer a comida da sua família com vitaminas e minerais.
É só cortar os talos bem fininho e usar em qualquer refogado. Você pode misturar no feijão, no arroz, no molho de tomates, que não vai modificar o sabor. Se não for refogar na hora, congela para usar depois. Assim você não desperdiça a parte rica em vitaminas e minerais que precisamos comer. Simples, né?

quinta-feira, 25 de junho de 2015

Ouça seus sentimentos

Os sentimentos estão em alta. Pare por um instante, pergunte em silêncio se você está manifestando os seus sentimentos em equilíbrio com o que pensa e o que faz. Você precisa descobrir seu propósito na vida e se concentrar regularmente na sua realização.
E o seu propósito não precisa ser salvar o planeta ou acabar com as guerras, ele está nas suas habilidades, nas suas vocações, nos seus dons.  Ele é a sua capacidade de oferecer o melhor em você. Ele se apresenta em tudo que você pode fazer para servir, ajudando na transição para as mudanças que precisamos fazer.
Em pequenas e simples tarefas está o serviço de agir para o bem, de interromper cadeias de stress, de espalhar solidariedade, de se relacionar positivamente com familiares, amigos, colegas de trabalho, vizinhos e desconhecidos. Busque o equilíbrio no grupo. Diferenças ensinam, diversidade enriquece, diálogos agregam, sorrisos contagiam.
A conexão com os outros acalma a  nossa alma. Pode acreditar. Então pare por um instante, ouça seus sentimentos e não se afobe. Encontre um pouco mais da calma em você, respire, respire fundo, e de novo. Explora sua boa vontade e confia que assim você faz diferença no seu mundo e no mundo de outras pessoas.
Foto Grafite Você é colorida, Rio de Janeiro, 2015, de Beatriz Carvalho Diniz
[Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 3.0 Brasil - Faça bom uso sem fins comerciais]

quinta-feira, 18 de junho de 2015

Iogurte sem conservantes nem corantes, como pode?

Se dá para fazer iogurtes sem corantes e sem conservantes, por que ainda fazem e nos vendem com corantes e com conservantes? Porque você compra. Simples assim. A sua escolha de consumo tem poder. E você poderosa ajuda todo mundo a ser mais sustentável, especialmente a sua família.
Sustentabilidade nos demostra que temos escolhido o pior de nós e nos comprova que sempre podemos escolher o melhor de nós. É através de decisões econômicas que sacamos as comprovações do melhor de nós e as demonstrações do pior de nós.

Muito tempo atrás, iogurte era puro leite fermentado. Foi considerado medicinal no início do século XX. O aumento no consumo do iogurte no mundo começou na década de 1960, por causa das melhorias no processamento e do reconhecimento das qualidades nutritivas e terapêuticas. Atualmente, entre tantas marcas e linhas, o que tem em comum é a decisão de nos vender corantes, aromatizantes, espessantes, emulsificantes, estabilizantes e saborizantes junto com iogurte. Nós compramos e assim validamos a conduta das empresas em produzir o pior e não o melhor para nós.

Na hora de comprar, a decisão é nossa. Nosso poder de escolha influencia quem toma as decisões econômicas: os empresários que nos vendem produtos piores ou melhores. Use e abuse do seu poder de escolha!

Na base dos caminhos para nossa salvação [literalmente]

Precisamos ver com os olhos da fé a ligação entre o ambiente natural e a dignidade da pessoa humana, nos diz o Papa Francisco. E por que? Porque vivemos um momento sem precedentes de ameaça real à vida, ao futuro, às pessoas. Não é mais possível fechar os olhos para o nosso distanciamento da natureza e para o modo de viver adorando bens materiais. É do meio ambiente que tiramos todos os recursos para produzir objetos que tanto achamos que desejamos ter. É poluindo e degradando o meio ambiente que produzimos coisas que rendem dinheiros para alguns e status ilusório de inclusão para muitos. É assim que aumentamos a temperatura do planeta em que vivemos, ano após ano, sem sequer darmos atenção a essa insanidade de destruir tudo que necessitamos para estarmos vivos. Por isso, temos que nos unir para o maior desafio coletivo que a humanidade não pode se negar a enfrentar, as mudanças climáticas. A Encíclica do Meio Ambiente ergue as dimensões morais da crise dessa nossa civilização, guiada por interesses econômicos e forjada na alienação de suas responsabilidades, não vencemos desafio algum sem encarar essa realidade.
A sociedade de consumo é um sucesso da economia que nos custa muito caro, pagamos todos nós o preço do fracasso de sermos uma espécie que involui. Produz, vende, compra, joga fora o que comprou, estimula o desperdício, programa o fim das coisas para produzir mais, vender mais, comprar mais, inventa necessidades desnecessárias, cria importâncias desimportantes. Não tem um pingo de ética em nome do lucro, sobrevive da desigualdade social que mantém ricos e pobres em seus lugares distintos de ser servido e servir.
Pôxa, somos seres únicos, com cérebro altamente desenvolvido, capacidades variadas, como a linguagem, o raciocínio abstrato, a resolução de problemas e o livre arbítrio, com sentimentos e empatias. No entanto, reduzimos nossa elaborada capacidade de comunicação a abreviações e símbolos simplórios, sufocamos abstrações com padrões aos moldes dos mercados, criamos problemas, expressamos sentimentos por objetos da moda e estranhos famosos, nem sabemos mais o que é empatia. Estragamos tudo...
A inciativa do Papa é tão íntegra e tão forte que deflagrou hostilidades de políticos americanos, antes mesmo do lançamento da nova encíclica. Óbvio começar nos Estados Unidos a hostilidade, é o berço da sociedade de consumo, a meca do consumismo e do marketing da boçalidade. Muitos líderes poderosos ainda vão criticar e tentar desmoralizar o apelo para cuidarmos melhor da vida, da natureza e dos seres vivos, incluindo nós. É que em outras palavras isso quer dizer mudar o modelo econômico desse crescimento sem limites, insustentável e em crise exatamente por ignorar o meio ambiente e as pessoas, para um desenvolvimento sustentável em que nós e a natureza existimos em todos os sentidos. E, olha, não pense que essa mudança é uma novidade, afinal, o paradigma da economia de consumo é não é obra do acaso, muito menos da natureza, é uma invenção humana que acelerou violentamente os impactos negativos do modo de produção desde a Revolução Industrial. Já há uns 200 anos nesse batidão, progressivamente pegando pesado, nos últimos tempos nos multiplicamos, não demos descanso, nos tornamos devoradores ainda mais rápidos, gulosos, vorazes, gananciosos.
Não é por causa de suas religiões que líderes políticos e empresariais manifestariam contrariedade com a nova encíclica. Eles são ricos e são caridosos, fazem doações para os pobres. O que incomoda na recomendação clara para cuidarmos do meio ambiente e das pessoas é que para os poderosos a não é maior que a confiança no dinheiro e sua prática não está acima da acumulação de bens materiais. Essa é uma verdade inconveniente, que revela como a criação divina viva no mundo não é respeitada nem valorizada diante do interesse econômico e como a exploração dos recursos naturais garante um paraíso na terra para egoístas, crentes sim em luxos e farturas.
A ciência das mudanças climáticas é clara, postou Ban Ki-moon [secretário-geral da ONU] no Linkedin. Nós já sentimos seus efeitos, que não afetam a todos nós de forma igual, e seus impactos ainda vão se intensificar. Inundações, secas, tempestades, desertificação, acidez dos oceanos, escassez de água, migração de bichos e gentes. Tempo de adversidades e adaptações extremas. Hora dos grupos religiosos estarem esclarecidos e em harmonia com a Ciência, para o bem da Criação.
Ban comentava sua visita ao Vaticano, para o seminário a Proteger a Terra, Dignificar a Humanidade, em abril. “Alcançar dignidade para todos deve ser a força condutora por trás dos principais eventos” em 2015 sobre desenvolvimento e clima, como o encontro em setembro, na sede das Nações Unidas em Nova York, “ainda mais histórico com a mensagem especial do Papa Francisco aos líderes mundiais” e a COP 21 para o “acordo climático universal e significativo” em dezembro, em Paris. “A mudança climática é uma questão moral. É uma questão fundamental de justiça social, direitos humanos e ética. Se não for controlado o curso atual das mudanças climáticas, a vida na Terra como a conhecemos vai ser alterada. Quaisquer que sejam suas crenças religiosas, isso é moralmente indefensável. Não podemos deixar que aconteça.”

O que o Papa Francisco vem nos pedir com a Encíclica do Meio Ambiente é que olhemos para o que estamos fazendo, para as nossas escolhas cotidianas pessoais e profissionais, e cuidemos melhor da natureza, da vida, das pessoas. Se para os religiosos tudo que está vivo por aqui é fruto de criação divina, então, é um apelo bastante lógico para qualquer religião. Para os líderes políticos e mundiais, que acessam estudos atuais e projeções científicas, mas, não tomam decisões ousadas e efetivas, é um pedido enfático para que ajam com ética e justiça. É um convite para todos nós, super oportuno, para inspirarmos corações e mentes para a sustentabilidade. E alicerça os caminhos, literalmente, para a nossa salvação. 

Beatriz Carvalho Diniz
Criativa de Eco Lógico Sustentabilidade, conteúdo produzido com amor, sem fins lucrativos, desde 2009. Consultora de Comunicação e Sustentabilidade. 

quarta-feira, 17 de junho de 2015

Você é uma aliada do clima, querida?




Você é um aliada do clima, querida? Se você respondeu que não, é melhor começar a ser.
Usa menos o carro. Compensa as emissões de seus veículos. Não desperdiça água nem luz. Valoriza as sombras das árvores.
O tempo não para nem volta atrás. Tictactitcatcitactictac... É hora de agir. Se você já é um aliada do clima, compartilha e inspira outras pessoas.

terça-feira, 16 de junho de 2015

Seus dons e talentos já servem às mudanças no mundo?

A transição do ódio para o amor, da separatividade para a união, é um movimento interno que, em seguida, se torna um movimento externo. Quais são os seus dons e talentos que já podem servir à transição planetária?

"Em São Paulo e outras cidades do país, moradores de diversas origens e classes sociais começam a se juntar e sair às ruas. Em comum, estes movimentos têm um objetivo que parece simples, mas que dá bastante trabalho para ser conquistado: tornar os espaços públicos mais agradáveis. Se você aceitar o convite destes grupos, poderá plantar flores nos canteiros de uma avenida, participar de debates e oficinas na praça, fazer performances às margens de um rio, cuidar de uma horta comunitária ou dançar embaixo de um viaduto madrugada adentro.
"Fazer isso é importante, porque a vida pública está morta", diz a arquiteta Laura Sobral, de 29 anos, que se casou na rua, em pleno Largo da Batata, no bairro de Pinheiros, na zona oeste de São Paulo."
Saiba mais sobre como as pessoas estão transformando espaços públicos e cuidando com amor do lugar em que vivem { http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2015/05/150514_ocupacao_espaco_publico_rb.shtml

segunda-feira, 15 de junho de 2015

Você é um aliado do clima, querido?


A hora de agir já tinha chegado em 2009, só que os líderes mundiais decidiram não fechar um acordo robusto. Ficamos todos no atraso. O aquecimento está ligado. Não tem mais volta. O tempo não para nem volta atrás. Tictactitcatcitactictac...
Nós temos que agir no nosso cotidiano, mudar hábitos. Vai de bike. Come menos carne. Compensa as emissões dos seus veículos. Vire um aliado do clima, por você, pela sua família, no presente para o futuro.



Alimente seus bons sentimentos


Caráter, segundo definição de dicionário, é o que faz com que os entes se distingam entre os outros da sua espécie. É marca, cunho, impressão, propriedade. É uma qualidade distintiva. É índole, firmeza. É Dignidade. Mas, o que quer dizer caráter na prática? Ou melhor, que tipo de caráter importa nos tempos atuais?

Pessoas de bom caráter tomam decisões pensando não apenas em si e sim em seu grupo social, familiar, profissional. Ah, isso é coisa de novela, de filme. Né não! Fazemos pequenas escolhas diárias que revelam e fortalecem nosso caráter, bom ou mau.
Ninguém é perfeito nem linear, sentimos raiva, desejo de vingança, temos frustrações, medos, mágoas. E temos a capacidade de pensar e sentir para escolher que gesto teremos, que palavras vamos falar, que sentimentos iremos alimentar.
Nem sempre o que é bom apenas para você é ótimo para todos. Nem sempre o que é ótimo para você é mais importante do que aquilo que é bom para muitas outras pessoas. Perceba a vida, enxergue os outros, faça assim suas escolhas.

Alimente seus bons sentimentos. Use bem seu livre arbítrio para escolher o caráter da suas decisões. Não cultive mágoas, não estimule raivas, quebre cadeias de stress. Cuide do que você pensa, sente e faz. Não jogue a culpa nos outros pelas suas atitudes, o que alguém faz de ruim não é motivo para você fazer igual ou pior. Não se desperdice.

sexta-feira, 12 de junho de 2015

Compensa suas emissões ae faz o favor...

Sabia que é super simples compensar as emissões de CO2 do seu carro? Pode acreditar. O cálculo é feito rapidinho pra você conforme os dados do seu veículo e daí é só escolher o projeto de compensação.
Escolhendo fazer a compensação, pagamos para que outras pessoas cuidem de manter em pé as árvores que capturam o CO2 que emitimos. Nós não percebemos, mas, poluímos o ambiente em que vivemos nessa cotidiana ação de transitar.
O CO2 é um dos gases do efeito estufa. O seu carro emite CO2 na queima de combustível. Por isso, compensar as emissões é uma atitude muito importante da sua parte! Afinal, quanto mais carros circulando, mais poluição jogamos no ar que respiramos, mais problemas de saúde causamos e mais aquecemos o planeta.

Mude o seu mundo, que o mundo todo muda com você. Calcule e compense em Sustainable Carbon Climate Solutions { http://bit.ly/Reduzaecompense

Tictactictactictactictac... Tempo de você agir

"As mudanças climáticas estão causando um impacto real na vida de indivíduos e comunidades no mundo todo. Nós temos que fazer algo sobre isso." Com essa frase, Kofi Annan abriu seu discurso de mobilização da sociedade para pressionar os líderes mundiais a fecharem um acordo robusto pelo clima em mais uma conferência, a COP 15. Foi em 2009.
O tempo de tomar a decisão já tinha chegado. As cidades já estavam assando, o gelo já estava derretendo, já era urgente agir. Era ainda viável e menos difícil que agora. E os líderes mundiais falharam em nosso nome.


Coloque amor na sua decisão de consumo, não dê trabalho infantil de presente...

O Dia Mundial contra o Trabalho Infantil é em 12 de junho, só que não é uma data comercial como o dia dos namorados, então, não tem comercial na televisão, no rádio, na internet nem em jornais e revistas. Talvez você até tenha comprado um presente que foi feito às custas da exploração de crianças. E se comprou, você validou, aceitou que crianças trabalhem para que você presentie o seu amorzão. Mas, você pode evitar essa validação da conduta reprovável de empresários que produzem e faturam com trabalho infantil. Vem aí o dia dos pais, mais uma data com forte apelo para o consumo. Então, coloque amor na sua decisão de consumo, escolha melhor na hora de comprar e não dê trabalho infantil de presente...
Veja porque { http://www.contioutra.com/20-imagens-de-trabalho-infantil-que-o-deixarao-sem-palavras/

Seja sempre gentil

bom dia para o gari, percebe que ele faz um serviço importante para todos nós. Cede o lugar para uma senhorinha sentar no busum, mesmo que você esteja no maior cansaço, entende que esse é o desafio. Valida a inciativa bacana do colega no trabalho, pratica o elogio e a colaboração. 
Somos o que fazemos, não o que temos. Faça o bem. Alimente a sua boa natureza. 

quinta-feira, 11 de junho de 2015

Baixa umidade? Vai a dica


Baixa umidade, tempo abafado, clima quente? Toma um sucão de fruta! Mata a sede, hidrata, nutre e nem precisa adoçar. É tudo que seu corpo pede num dia de calorão, um suco de fruta fresca!


Foto { Suco na mesa, Rio de Janeiro, 2014, de Beatriz Carvalho Diniz
[Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 3.0 Brasil - faça bom uso sem fins comerciais]

Vamos ser aliados do clima?

A hora já havia chegado em 2009, mesmo assim os líderes mundiais falharam em nosso nome. Estamos todos no atraso. O aquecimento está ligado. Não tem mais volta. Nós temos que agir. Faça a sua aliança com o clima, por você, pela sua família, no presente para o futuro.
Foto { Selfie de Celsius, Rio de Janeiro, 2015, de Beatriz Carvalho Diniz
 
[Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 3.0 Brasil - Faça bom uso sem fins comerciais]




quarta-feira, 10 de junho de 2015

Dê play antes de ler e entre no clima

"As mudanças climáticas estão causando um impacto real na vida de indivíduos e comunidades no mundo todo. Nós temos que fazer algo sobre isso." Com essa frase, Kofi Annan abriu seu discurso de mobilização da sociedade para pressionar os líderes mundiais a fecharem um acordo robusto pelo clima em mais uma conferência, a COP 15. Foi em 2009, o tempo de tomar a decisão já tinha chegado. As cidades já estavam assando, o gelo já estava derretendo, já era urgente agir. Mas, os líderes mundiais desperdiçaram a oportunidade. Era ainda viável e menos difícil que agora.

Não faltou conferência, faltou ousadia. Não faltou alerta, faltou a tomada da decisão. Não faltaram estudos, faltou ação. E o tempo passou. Depois da COP 20 em Lima [Peru], vamos para 2015 com a obrigação de somar grandes esforços para reduzir as emissões dos gases do efeito estufa e tentar que o aumento da temperatura no planeta não seja maior que 2 graus Celsius.

A COP 21 merece uma mobilização sem igual das sociedades. Que sejam acordados entre as nações esforços e cooperações, porque temos pouco tempo. Precisamos agir, e é já.

Pioramos nossa situação nos últimos anos, destruindo numa velocidade e numa violência monstras o mundo em que vivemos. Batemos recordes seguidos de altas temperaturas, cada ano mais quente que o anterior. Claro, continuamos despejando na atmosfera CO2, metano, e muitos outros gases, acumulando emissões, como se não respirássemos essa poluição toda, como se não nos fizesse mal algum nem matasse. Como se não estivéssemos aquecendo demais o planeta, como se já não fosse extremamente grave.

Pois é. E tudo na farsa de um bem estar, na realidade para poucos, baseado no consumo e no descarte compulsivos de coisas que não nos beijam, não nos transmitem amor, não são sequer necessárias, e que são feitas com recursos naturais que acabam. Ignoramos o meio ambiente. Estamos esgotando os recursos da natureza, que são provedores de toda a vida, para produzir mais e mais coisas desse jeito estúpido, desmatando, contaminando águas, solos, ar, alimentos, nos poluindo, gerando lixo em demasia, extinguindo de animais a plantas e também as condições favoráveis de existirmos. Somando tudo, inclusive a desigualdade social que mantém lugares e serventias de pobres e ricos, detonamos nossa saúde, viralizamos doenças no corpo, no coração e na mente.

Somos a sociedade de consumo que precisa deixar de ser isso [global e localmente], destruidora, degradante, desperdiçadora, fútil, hostil à natureza. Insistimos em colocar a economia à frente da pessoas e do meio ambiente, a qualquer custo, sem limites, forjamos uma normalidade insana [a propaganda de um mercado insustentável embutida na publicidade de produtos e serviços e de serviços jornalísticos] de alienação, distanciamento da natureza e substituição de afetos por coisas. E isso deu tão ruim que aceleramos alterações na natureza que normalmente ocorreriam somente daqui a milhões de anos. É a nova era que inventamos, de uma interferência matadora, o Antropoceno.

A  mudança é o nosso destino, mudar práticas, mudar hábitos, mudar importâncias e prioridades da humanidade, mudar o rumo da civilização. Perceber a vida, enxergar os outros, dar valor ao que importa, seguir no sentido da sustentabilidade.  Tictactictatictactictactictac...

Não nos falta poder, precisamos de escolha. E vamos precisar de todo mundo, se queremos o futuro. Ou preferimos "quebrar tudo" por aqui para produzir, vender, comprar, ostentar e jogar fora coisas que não valem mais que a vida?

Os líderes mundiais têm falhado em nosso nome. Estamos todos no atraso. O aquecimento está ligado. Não tem mais volta. Nós temos que agir. Faça a sua aliança com o clima, por você, pela sua família, faça no presente para o futuro.

Por isso que recomendamos que você desse play antes de começar a ler. Beds Are Burning é a canção do Midnight Oil que foi adaptada para a campanha TicTacTicTac lá em 2009 e cantada por mais de 60 artistas em defesa da justiça climática. A mensagem está mais atual que antes, as cidades continuam assando.
Imagem capturada do vídeo de Beds Are Burning


Acredite: + 1 na escola, - 1 no crime


"Nenhum dos três é inocente", diz seu Pezão, o governador do estado do Rio, sobre o engano que se "descobriu" em relação ao acusado de esfaquear o médico ciclista na Lagoa. A delegacia de homicídios tinha encerrado o caso depois de apresentar um jovem de 16 anos como autor do crime. Pois bem, outro jovem também de 16 anos confessou participação no crime, inocentou o rapaz acusado e identificou como o esfaqueador um adolescente de 15 anos que já estava detido.
Não é assim que se faz quando se quer confiança da sociedade. Arrumar um bode espiatório para dar uma resposta que pareça satisfatória, na verdade, quer dizer que não há intenção em responder aos problemas com as soluções devidas. O seu Pezão acha que a solução é o legislativo e a justiça alterem o código penal para que menores infratores sejam punidos. Está errado, está transferindo responsabilidades, jogando para a torcida, desviando sua figura do foco. Não faltam punições para jovens infratores, o que falta é governadores e prefeitos cumprirem a lei e garantirem as estruturas para que o sistema funcione e recupere, reeduque, prepare para a vida produtiva, desperte habilidades e empatias.
Os governadores do Rio não são inocentes nessa velha história da violência no estado e da captação de crianças e adolescentes por criminosos. E antes de julgar quem quer que seja, o seu Pezão devia tomar uma boa de simancol. Então, por favor, em qualquer lugar do Brasil em que você more, acredite: + 1 na escola, - 1 no crime!
A redução da maioridade penal não resolve o problema da violência nem aqui nem na conchinchina. O que resolve é exatamente o que não é feito e precisamos exigir que seja, investimentos nas estruturas previstas em lei para punir jovens infratores e nas políticas públicas que previnem envolvimento de crianças e adolescentes com o crime. Saiba mais, entenda melhor { http://bit.ly/BDMaisescolasMenospresídios

sexta-feira, 5 de junho de 2015

O que o meio ambiente tem a ver com a sua saúde?

Uma planta indiana cultivada no Brasil nos ajuda a entender e mudar hábitos

Estamos acostumados a ouvir que comer frutas, legumes e verduras faz bem para a saúde. É verdade. E até em talos, folhas e cascas tem vários nutrientes que precisamos botar para dentro do nosso organismo. O problema é que achamos que não gostamos de alimentos naturais, afinal, somos bombardeados pela publicidade dos produtos industrializados e convencidos de que consumir marcas é o que importa. Comemos muitas porcarias disfarçadas com corantes, saborizantes e aromatizantes, que nem são nutritivas, e não damos lá tantos exemplos para as crianças curtirem o crocante da maçã da Branca de Neve, o espinafre do Popeye ou a cenoura do Pernalonga. Mas, além desse costume torto que depende das nossas escolhas, ainda temos o grave problema do uso exagerado de agrotóxicos nas lavouras brasileiras, permitido exatamente porque não gastamos nosso poder de escolher.
Agrotóxicos são venenos que contaminam as pessoas, os solos, as águas e os alimentos. Diversos estudos relacionam agrotóxicos a efeitos nocivos sobre a nossa saúde e segurança alimentar e nutricional. O Instituto Nacional do Câncer [INCA] divulgou sua posição contra as práticas de uso de agrotóxicos no Brasil, ressaltando seus riscos à saúde, inclusive nas causas do câncer.
O Brasil é o maior importador de agrotóxicos do planeta, recordista desde 2008. E o que é pior, aqui são usados mais de 10 tipos de venenos já proibidos no mundo. Então, tem agrotóxicos em frutas, legumes e verduras que nos são vendidos, pelos quais pagamos para comer e servir a nossa família. Tem agrotóxicos também nesses produtos artificiais, nos ingredientes de biscoitos, pães, cereais matinais, lasanhas, pizzas, como trigo, milho e soja. E nós nem sabemos, sequer nos informam.
Mesmo com o status negativo de campeão mundial no consumo de agrotóxicos e ainda usando substâncias já proibidas nos Estados Unidos e na Europa, o Brasil exporta produtos da agropecuária brasileira porque atende às exigências do mercado internacional com soluções de controle biológico de pragas e de fertilização orgânica. Mas, e a produção de alimentos para o nosso consumo, vai continuar na base de agrotóxicos? 
Nossa escolha no campo e na cidade
Processos e produtos amigáveis ao meio ambiente são alternativas eficientes, seguras e econômicas para substituir o uso tantas substâncias químicas em lavouras e criações. Prova disso é a árvore Neem, de origem indiana, que se destaca pela variedade e confiabilidade de seu uso, com seus produtos defensivos, fertilizantes, antiparasitários e repelentes naturais e atóxicos. Tudo que se produz a partir do princípio ativo, extraído das folhas, frutos, cascas, sementes e madeira dessa árvore, é utilizado na medicina, cosmética e agricultura há mais de 4 mil anos na Índia.
Neem combate mais de 400 tipos de pragas agrícolas sem causar danos ao meio ambiente, é natural e atóxico. Na pecuária, Neem combate insetos e parasitas, reduz o custo com medicação para os animais e não deixa resíduos na carne nem no leite. A confiabilidade do Neem tem sido atestada por diferentes instituições, como Embrapa, Unicamp e Universidade Federal do Paraná (UFPR). Pesquisadores da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), por exemplo, comprovaram que a aplicação do óleo de Neem em lavouras como da mandioca combate o ácaro vermelho.
Então, o produtor rural tem soluções disponíveis no mercado brasileiro para melhorar seus processos de cultivo e criação, assim como a qualidade de frutas, legumes, verduras, leite e carnes. Não precisa depender de agrotóxicos. E pode escolher se adiantar ao invés de ser surpreendido pelo seu comprador usual querendo deixar de vender alimentos produzidos com agrotóxicos, porque os clientes dele na feira querem comprar frutas, legumes e verduras saudáveis de verdade, sem venenos, e estão trocando de barraca.
                Aliás, você já perguntou nas barracas da feira em que costuma comprar frutas, legumes e verduras se o cultivo é com agrotóxicos? Pergunta! Queira saber, porque a demanda formata a oferta. Converse com os feirantes sobre a procedência do que vendem a você, use seu smartphone conectado para checar os sites dos produtores e leve em consideração a sua saúde e da sua família na hora da escolha de compra. E descubra como é a oferta de produtos orgânicos na sua cidade, se tem em mercados, hortifrutis, feiras, associações de produtores, grupos de compra.

Bom para o ambiente, melhor para nós
Morando no campo ou na cidade, somos todos consumidores e precisamos entender que o que é bom para o meio ambiente é bom para nossa saúde. Mudar práticas na produção e hábitos de consumo provoca também mudanças no mercado, é a lei da oferta e da procura.
Uma iniciativa bem bacana na cidade do Rio de Janeiro é o Circuito Carioca de Feiras Orgânicas, reunindo produtores e expositores dedicados à comercialização de alimentos 100% orgânicos e certificados. Segue o link https://www.facebook.com/feirasorganicas para você conhecer o circuito, compartilhar com quem tem interesse na sua cidade e apresentar na prefeitura e para o vereador em que você votou.
A produção de orgânicos no Brasil aumenta 20% por ano desde 2010, segundo o SEBRAE. O número de produtores orgânicos cresceu mais de 50% de 2014 para 2015. E a natureza é tão incrível que com uma única árvore temos diversas soluções para diferentes problemas sem prejudicar o meio ambiente e sem nos encher de venenos. Os produtos derivados do Neem não são tóxicos para o homem nem para os animais e são biodegradáveis, porque seu DNA é livre de moléculas químicas.
Como diz a Romina Lindemann, Diretora-geral da Preserva Mundi [especializada no cultivo de Neem e na fabricação de seus produtos derivados], Neem é o grande aliado do produtor rural brasileiro para reduzir custos e tornar a produção mais limpa e menos danosa ao ambiente e às pessoas. “O Brasil precisa saber mais sobre as vantagens e os benefícios do Neem e explorar nosso potencial na agropecuária orgânica.” Tem toda razão. Abandonar agrotóxicos na agropecuária não se reduz a uma tendência e nem ao interesse de mercado, é bom para o meio ambiente e é ainda melhor para nós.
Eu não sou produtora rural e uso Neem. É que a versatilidade da árvore é tanta que rende produtos para usarmos em casa e nos bichinhos que amamos, como o repelente e o sabonete. Substituí inseticida pelo repelente de Neem, que também entra na finalização da faxina. Como sou a humana de estimação da gata Amor Amora, optar por um repelente natural é vantajoso também por não fazer mal à bichana. Cuido da higiene e do controle de pulgas em Amor Amora com o sabonete de Neem próprio para cães e gatos. Estou muito da satisfeita por ter mudado. E se você pensa em experimentar, saiba mais sobre o Neem, seus usos e produtos em Preserva Mundi http://bit.ly/PreservaMundiprodutos.
  

Beatriz Carvalho Diniz
Criativa de Eco Lógico Sustentabilidade, conteúdo produzido com amor, sem fins lucrativos, desde 2009. Consultora de Comunicação e Sustentabilidade.


segunda-feira, 1 de junho de 2015

Pensando na viagem dos seus sonhos?




Dá uma olhada na ‪‎dica‬ para você realizar a viagem dos sonhos que a nossa criativa Beatriz Diniz compartilhou no Conta pra mim { http://bit.ly/1KPxxTd